Next Porto speaker

Zouri

More info

March 22, 8:30am • Porto i/o • part of a series on Water

CreativeMornings Porto - Round 2!

O que é que um planeta, um rosto atraente ou um floco de neve têm em comum? Simetria!

A simetria é predominante ao longo de toda a nossa vida. Podemos dobrar um girassol ao meio ou o corpo humano pode dobrar-se e criar formas fascinantes. Existem também irregularidades que melhoram a vida, acrescentam beleza e complexidade. Se há simetria na Natureza, então deve haver um tipo de simetria na maneira como conduzimos as nossas vidas.

A simetria não pode ser possível sem assimetria, da mesma forma que a tristeza aumenta a alegria.

Alan Lightman escreveu em The Accidental Universe: “Eu diria que a simetria representa a ordem e nós ansiamos por ordem neste estranho universo em que nos encontramos.” Mas o caos vai acontecer quer gostemos ou não e é como reagimos a isso que ou cria ordem ou mais caos.

Quando no caos, cria a tua simetria!

E se não sabes como o fazer, vem ter connosco no dia 22 de Fevereiro ao espaço de Cowork do Porto i/o Santa Catarina para veres como saímos do nosso caos criativo!

Este tema foi escolhido pelo capítulo de São Petersburgo, ilustrado pela Anna Fadeeva tem o apoio do nosso parceiro Mailchimp.

E com o FANTASPORTO foi assim…

Eram 8h15 da manhã quando eu cheguei esbaforida e atrasada para a primeira CreativeMornings Porto de 2019. Acho que à medida que a manhã foi decorrendo esse stress foi aumentando! Afinal de contas eu nunca tinha feito isto e pior (!) nunca tinha estado numa CreativeMornings na vida! (Mas isso é tema para outra conversa...)

Às 8h30 (mais coisa, menos coisa) e depois de um pequeno-almoço supimpa, cortesia dos nossos parceiros O Piquenique e a Lavazza (podem ver fotos e babar aqui!) começámos a falar disto do Surreal. 

A Beatriz Pacheco Pereira, uma das diretoras do Fantasporto, que teve a cortesia de aceitar o nosso convite e nos honrar com a sua presença e experiência de vida para fazer uma entrada em grande foi dizendo desde logo que com a nossa idade ainda tinhamos a obrigação de ter sonhos, porque os sonhos realizam-se e concretizam-se mediante certos condicionantes.

Contou-nos a história do Fantasporto, falando da importância das influências políticas e do 25 de Abril na abertura do mundo e na criação de um festival de cinema independente sobre o fantástico, que é diferente de terror. O Fantasporto nasceu com o objetivo de mostrar o cinema que estava proibido, de ser um fórum para encontros de cineastas, cultura e artes, tanto assim era que o primeiro festival não era competitivo. O mote era contribuir para a educação cinematográfica da geração da altura, levando a uma ligação ao mundo global do cinema.

Alertou-nos também para algumas questões fundamentais para quem faz cultura em Portugal, já que esta não deve ser pensada apenas em termos empresariais. Apesar de pouco visível, a cultura é a indústria mais rentável do Mundo, porque nos permite estimular a criatividade em todas as vertentes. E por isso, a cultura em Portugal precisa de estruturas e patrocinadores, ainda que a a preferência destes pareça sempre ir para festivais de música e para o futebol. Por isso, diz que ter sucesso em Portugal é das coisas mais perigosas que há. Porque manter esse sucesso implica um trabalho gigantesco! 

Algumas das curiosidades interessantes que fazem do Fantasporto uma dos 10 melhoers festivais do mundo, a celebrar 40 anos de existência em 2020, são ter exibido A Guerra das Estrelas em 1976, ter recebido o Danny Boyle e ele ter escrito parte do argumento do filme “Quem quer ser Bilionário?” no Porto, receber todos os anos estreias mundiais e ante-estreias europeias e já ter trazido 3 oscarizados ao Porto.

No final deixou-nos alguns conselhos precisosos: a vontade e o local são fatores-chave no arranque de qualquer projeto; manter a persistência sempre, já que esta é o fator de êxito nesta área; ter rigor, profissionalismo, uma selecção cuidada e uma simpatia extrema; trabalhar muito; usar a inteligência; manter uma perspectiva de longo prazo; ter amor ao que se faz; estar preparado/a para apanhar porrada que nos fará ganhar resistência e nunca desistir!

Prometemos que dia 22 de Fevereiro repetimos a dose!

Ilustração: Joel Faria

De Participante a Oradora e de Oradora a Voluntária!

Era Janeiro de 2014. Eu regressava ao Porto, depois de uns anos numa espécie de nomadismo pela Europa. Vinha cheia de vontade de encontrar na Invicta a continuação do fervilhar de ideias, de gentes e de novidades a que a curiosidade me habituara. Já não sei onde tropecei, pela primeira vez, nas CreativeMornings. Mas tropecei! Li a descrição, vi onde seria e não hesitei. Registei-me e inscrevi-me para aquela primeira CM do ano. 

Não sabia bem o que esperar e lembro-me de achar que era bom demais uma conferência com gente interessante, com pequeno-almoço incluído e tudo gratuito. Fui, assim como quem vai descobrir uma coisa nova, passo precavido e olho aberto, num dia frio de inverno. O evento era na altura na UPTEC (lugar que eu nem sonhava que existia!), numa casinha de madeira plantada no jardim, diante de uma japoneira com flores cor-de-rosa. Fazia frio e lembro-me do aspeto perfeito que tudo tinha: o pequeno almoço muito bem posto sobre a mesa, as pessoas simples e bonitas espalhadas pelo espaço acolhedor, a luz da manhã madrugadora a espreitar com vontade, a organização visível em cada detalhe… Foi ali, naquela manhã, que me apaixonei por aquela comunidade de gente, de ideias, de partilha.

A conferência foi com o sóbrio designer Nuno Coelho (lembro-me até hoje, porque ele mostrou o seu apelido associado a uma mascote de plástico. Funcionou: ainda hoje resiste ao tempo). Foi uma partilha boa, com conteúdo fácil de seguir e cativante a cada slide (ele mostrou alguns com o seu trabalho e trajeto), apresentado por uns anfitriães que não se impunham na presença, antes faziam suavemente acontecer. Lembro-me de haver gente a filmar, gente a fotografar, tudo bem organizado, como uma suave dança de gente que concretiza. Desde esse dia que estava claro que a cada mês eu estaria presente sempre que pudesse e assim foi, durante mais um ano e meio.

Diverti-me com a conversa direta do Becas, ouvi falar sobre uma técnica fotográfica que desconhecia com o Ivan da Silva, segui atenta as ideias sobre liberdade do Gustavo Costa, conheci a história dos Lovers and Lollypops, entrei no mundo musical do Filipe Lopes, conheci a obra e as ideias sobre Arquitetura e design do Eduardo Aires, apaixonei-me pela paixão sobre educação do Luís Falcão… Estes, entre tantos outros temas e palestrantes, foram-me fazendo sentir parte desta comunidade, até ao ponto em que comecei a participar de outras formas. Por duas vezes colaborei, com uma equipa de amigos, como patrocinadora do pequeno-almoço. A organização não tinha arranjado quem o oferecesse, falou-se de forma informal e eu saltei para a frente: era a minha forma de devolver, de algum modo, a inspiração que este evento me dava mensalmente nas manhãs madrugadoras das sexta-feiras. Combinei com uma série de pessoas que tinham começado a fazer parte da trupe de assistentes e  entre todos lá levámos bolos e sandes, sumos e cafés e até camélias e post-its, às mesas de pequeno-almoço de dois dos eventos.

Os post-its foram, aliás, uma outra forma de participação. Um dia, em forma de desafio, a Sofia Herrera e o Gil Ribeiro, que sabiam que eu trabalhava com grupos e dinâmicas através da minha THINKING-BIG, propuseram-me trazer às horas desafiadoramente adormecidas do começo de um evento, uma dinâmica que fizesse com que os assistentes se conhecessem melhor. Ainda me lembro de rever as fotografias do Filipe Brandão desse evento e de ver o palestrante da altura com um post-it pousado no sapato, esquecido ou guardado para uma posteridade mais criativa. Foi curioso, nesse dia, participar do lado mais de lá, aproximando-me e conhecendo mais a equipa organizadora e percebendo o tudo que estava por trás de cada evento: o trabalho envolvido, os recursos a mobilizar, o esforço na promoção de cada evento, os acordos a fazer para os pequenos-almoços, para os lugares, os contactos com os conferencistas,…. Tudo isto de forma absolutamente voluntária. Nessa altura também o meu envolvimento aumentou, por sentir que um par extra de mãos nunca seria a mais. Comecei também eu a divulgar ao máximo cada Episódio (é assim que chamamos a cada conferência).

As CM Porto tinham então deixado o espaço do UPTEC e saltitavam por lugares vários, desde o Palácio das Artes à Associação de Ourivesaria e Relojoaria de Portugal, passando belo espaço do Espiga Bar Galeria, o lugar onde o ciclo se fechou, para mim. Depois de ter participado como assistente, patrocinadora de pequeno-almoço e animadora de warm-up, chegou a minha vez de ser…. A própria palestrante!

O convite surgiu de surpresa e foi aceite sem hesitação! Foi com um gosto do tamanho do mundo que fechei o ano de 2014/2015 das CM Porto, num Julho quente antes das férias de Verão, no episódio com um dos temas que mais me diz coisas: “COLABORAR”. Afinal, depois de tudo, não poderia ser de outra forma, podia?

Continuo agora nesta aventura criativa, do lado talvez que faltava: como parte da nova equipa de voluntários das CM Porto . Os olhos postos no tudo a fazer, inspirada pelo tudo que foi, até agora, feito. E com um sorriso bom de saber que ideias boas continuarão aqui a mexer, no nascer do dia de uma sexta-feira por mês na Invicta!

Texto: Edite Amorim

Imagem: Filipe Brandão

Bom Ano de 2019 Comunidade Criativa!

Estamos oficialmente no mês em que as CreativeMornings Porto estão de regresso à cidade do Porto com o tema SURREAL.

E no que pensas tu quando esta palavra te surge à frente? Será que pensas no Surrealismo  como movimento artístico e literário que surgiu na Europa na década de 20? Pensas na arte de Frida Kahlo ou Salvador Dalí? A primeira coisa que te surge são as ligações com as teorias psicanalíticas de Freud e as teorias políticas de Marx? Ou pensarás porventura no cinema do Luis Buñuel?

Eu pessoalmente penso sempre em coisas estranhas, absurdas, que não correspondem à realidade, que são bizarras ou absurdas. Penso em momentos inesperados da minha (relativamente tranquila) vida quotidiana.

Seja qual for a tua resposta, vem ter connosco no dia 25 de Janeiro ao espaço de Cowork do Porto i/o para veres qual vai ser a nossa interpretação deste tema neste mês!

Teremos novidades muito em breve!

Este tema foi escolhido pelo capítulo em Bruxelas, ilustrado pela Charlotte Dumortier e tem o apoio do nosso parceiro WordPress.com.

Um Natal Criativo!

Temos a certeza que já escreveste a carta ao Pai Natal este ano e que daqui a umas horas será recompensado com os teus presentes debaixo da chaminé!

O que não sabemos é se já subscreveste a nossa newsletter para receberes as últimas novidades da CreativeMornings Porto já a partir de 2019!

Ainda vais a tempo de ser um/a menino/a bem comportado/a e fazeres a tua boa ação natalícia!

É só subscreveres aqui!


Festas Felizes!  

CreativeMornings/Porto estão de Volta!

Olá comunidade das CreativeMornings Porto!

O meu nome é Ana I. Azevedo e sou a mais recente anfitriã das CreativeMornings Porto, acabadinha de chegar!

Se tiverem curiosidade, aqui poderão o vídeo de candidatura que eu fiz a este capítulo no Porto. E agora que fui oficialmente aceite como anfitriã, eu e a estupenda e extraordinária equipa de voluntários que decidiu embarcar comigo nesta aventura estamos de volta para tornar estas ideias realidade e voltar a reunir a comunidade de criativos no Porto em volta deste evento.


Sobre Mim:

Sou alfacinha de nascimento e até há 2 anos atrás vivia na capital. Decidi organizar as CreativeMornings Porto porque durante a minha estadia por Lisboa fui responsável por uma projecto de agenda cultural, a Le Cool Lisboa e decidi que estava na hora de voltar a fazer algo criativo pela cidade que agora me acolhe. Além disso sou aquela pessoa que diz adeus a todas as câmaras das portagens de auto-estradas!


Sobre a Equipa:

Todas as CreativeMornings acontecem graças a uma equipa de voluntários que põe parte da sua alma, e muitas das suas horas de sono, a trazer o que de melhor se faz na cidade. Eles merecem ter-vos lá!
Para já somos 11 e podes saber mais sobre eles aqui. Se também quiseres fazer parte desta família envia-nos um e-mail para: porto@creativemornings.com


Sobre este novo Capítulo:

Queremos fazer das CreativeMornings Porto o evento de referência na área criativa. Fomos a primeira cidade do país a ter um capítulo CreativeMornings e acreditamos que o Porto tem muito potencial criativo e muitos portuenses que têm histórias para contar! E acreditamos que todas as pessoas são criativas, às vezes só precisam de alguém que lhes lembre que há uma chama criativa a arder cá dentro e é para isso que estamos de volta à tua vida!


Como Participares:

Queres ser o primeiro a saber sobre o noss próximo evento já em Janeiro? Subscreve a nossa newsletter das CreativeMornings Porto. Se estás interessado em ser nosso parceiro ou patrocinador, envia-nos um e-mail para: porto@creativemornings.com. Fica atento aos próximos passos e esperamos ver-te no nosso próximo evento!

Imagem: Joel Faria

For the last CreativeMornings/Porto event before the summer vacation we received a great talk by Cecília Carvalho and Lígia Lopes from Design Includes You, in which the duo introduced the principles of Inclusive Design and presented some of their stories in trying to raise the awareness of authorities.

You can check out Filipe’s photos of the event at our Flickr.

Many, many thanks to Espiga for serving a great breakfast and for having us over the past year! Many thanks also to Filipe Brandão and Catarina David for helping out with this event.


CreativeMornings/Porto will be back after the summer holidays with a new chapter host. Stay tuned!

Photos by Filipe Brandão. Text by Eduardo Morais.

June kicked off with a meeting with Fátima São Simão, director of development at the UPTEC Science and Technology Park of the University of Porto, executive director of the Futureplaces.org medialab, leader at Creative Commons Portugal and, last but not least, a really good friend of CreativeMornings/Porto from its inception.

For a conversation about #Survival, Fátima started from a brief description of her multiple but focused on the issues surrounding copyright and proprietary content, and how they imperil culture - not only cultural heritage, but cultural development and the cultural industries as a whole. 

Fátima talked about her work at Creative Commons Portugal in developing the Creative Commons Toolkit for Business, and also on the need for saner copyright legislation.

Again, many thanks to Espiga’s Hugo and Inês for their relentless commitment in hosting CreativeMornings/Porto and offering volunteers and attendees a great breakfast in a very cozy environment. Thanks also to all the volunteers who made the event possible - Luís, Catarina, Mónica, Filipe and Joel -, and to all the attendees who shared into a great talk.

You can take a look at the event’s photo album at Flickr.


Top illustration by Joel Faria. Photos by Filipe Brandão. Text by Eduardo Morais.

May’s theme is serendipity: fortunate or pleasant happenstances. In a very interesting presentation, Alexander Russell and Pedro Fragoso Lopes talked about the chain of serendipitous events that shaped them both, as persons, as professionals, and in bringing Planet Fusion Studio into being; thus reflecting on the role of luck in both life and work.

Many thanks to Espiga and its owners Hugo and Inês for their relentless commitment to CreativeMornings/Porto, hosting these conversations and offering us volunteers and all attendees a great breakfast in a very cozy environment. Thanks also to all the volunteers who made the event possible - Luís, Catarina, and Mara -, and to all the attendees who shared into a great talk.

As always, you can take a look at photos of the event in its Flickr set.


Photos by Catarina David, Mara Ungureanu, and Eduardo Morais. Text by Eduardo Morais.

So many thanks to Lara Jacinto from Colectivo to come and present the group’s work The Thin Line, an ongoing photographic essay about Europe’s borders, sometimes invisible, sometimes unavoidable and impassable.

Many thanks to Espiga for hosting the event and for offering a great breakfast. You can take a peek at Filipe’s photos of the event in its Flickr set. Thanks also to all the volunteers who made the event possible - Luís, Filipe, Catarina, Mónica, Helena, Joel -, and to all the attendees who shared a really great talk.


Illustration by Joel Faria. Photos by Filipe Brandão. Text by Eduardo Morais

more