Recomeçar

As penúltimas sextas do mês são as mais saborosas e inspiradoras de São Paulo, recebendo uma das 191 edições do CreativeMornings do mundo.

O evento dá as boas-vindas aos participantes com pães da Beth Bakery, biscoitinhos e bolinhos Celivita, as barrinhas mais gostosas da EnjoySnacks, brownies feitos carinhosamente pelo Caio e aquele café especial oferecido pelo Willow Tree Coffee; entre tantas outras delícias garantidas pelos nossos apoiadores.

A primeira parte do evento estimula a interação entre as pessoas. Com um adesivo na camiseta informando nome e a resposta para a pergunta do dia – das mais simples às mais existenciais –,  o primeiro passo para se iniciar conversas animadas está dado.

A melhor forma de iniciar uma manhã, a gente acredita, é com uma mesa cheia e pessoas interessantes para conhecer.

Cada edição acontece em um espaço diferente e estimulante. Em novembro, quem nos recebeu foi a ThoughtWorks Brasil, em seu escritório na Av. Paulista. O ambiente amplo e bem colorido casou com os humores da manhã e embalou o parabéns para nosso músico e voluntário Cris Romagna, que fez aniversário na véspera. Ele compõe canções exclusivas para o CreativeMornings desde 2016 e algumas delas podem ser encontradas em seu perfil no Spotify Cris Romagna.

A palestrante do mês foi a Juliana Serbeto, uma das criadoras do projeto Exnap, que auxilia no processo de separações e recomeços. Formada em Direito e natural de Salvador, ela iniciou sua fala traçando um paralelo entre desistência e recomeço. O peso do fracasso de se desistir de algo contrapõe à coragem e energia nos recomeços, então por que não fazer as pazes com a desistência?

Abrir mão de um caminho pode ter mais a ver com um ato de coragem do que de falha. E uma vez que tomamos esta decisão, o melhor a se fazer é olhar para frente ao invés de girar em torno do fim.

Ao auxiliar a filha mais velha nos estudos, Juliana descobriu que a palavra “revolução” significava voltar ao início. Diferente da conotação que damos atualmente, era o desejo de retornar ao ponto de partida, já conhecido. Tão cíclico quanto o ato de recomeçar. E à partir disso, ouvimos sua história de vida envolvendo carreira, mudança de cidade, maternidade e casamento; recomeços constantes.

Em suas palavras, “é difícil enxergar um futuro quando não se consegue lidar com o presente”, e é aí que a mágica do recomeço acontece. Chega a hora de ouvir a coragem que há em nós para mudarmos nossos sonhos e objetivos e, principalmente, para enfrentar aquele medo constante de falhar.

Recomeçar nos exige dar um passo para trás antes de caminharmos adiante, e essa parte do processo é, no geral, a mais assustadora. Mas Juliana nos lembrou nesta edição o quanto esse momento é necessário e que, também, somos capazes de passar por ele quantas vezes se fizerem necessárias.

Recomeçamos o tempo todo; seja numa casa nova, num emprego ou em um novo hobby.

Que a gente não deixe a energia dos recomeços apenas para as viradas do ano e que o medo de “desistir” nunca seja maior que nossa coragem para recomeçar.

Esse registro narrativo foi feito com <3 pela voluntária Patricia Bastos

As fotos são uma cortesia do voluntário Daniel Pinheiro.


O CreativeMornings é inteiramente realizado por voluntários e marcas apoiadoras, que garantem um bom café da manhã e um ambiente animado enquanto todo mundo conversa e se conhece. Nossos patrocinadores globais são Mailchimp, Adobe e Wordpress, nosso patrocinador local é next e nossos apoiadores locais são altoseventos, Aquele Ditado, Beth Bakery, Celivita, Daniel Pinheiro, Enjoy Snacks, Ghiberti, Mosaico Fluido, Profile, Spanda e Verde Campo.